Projeto/Equipe

FRANK COE

FRANK COE

Cineasta carioca, indigenista, produtor cultural, psicólogo de formação, com especialização em psicologia social pela Universidade de Genebra, Suíça. A partir de 1989 passou a dedicar-se às artes estudando na Escola Superior das Artes Visuais em Genebra logo após, participou como aluno de Freddy Buache no curso de Estética e História do Cinema na Cinemateca Suíça de Lausanne. Além destes cursos, frequentou o Curso de formação de Vídeo no Departamento Cultural da Universidade de Genebra. Como realizador produziu, roteirizou e dirigiu filmes experimentais, com destaque para: “Mixegenation”, 27 min. “Le Chameau, Le Lion et LEnfant” 60 min. e “LHéritage” 40min. Desde 1993 dedica-se ao projeto de documentação “Séculos Indígenas no Brasil”. Neste trabalho, destaca-se a realização do filme “Maíra, de Darcy Ribeiro: um Deus mortal?” de 75 minutos, finalizado em junho de 2010. Nesta realização, contou com a participação de Otto Guerra, grande expoente do cinema de animação no Brasil e também com a colaboração de Piotr Jaxa, importante nome da fotografia na Europa, que atuou como diretor de fotografia nas filmagens em diversas comunidades indígenas brasileiras. Durante os anos de 2000 e 2001 coordenou a recuperação e a administração do Centro de Preservação das Artes e Culturas Indígenas, Santarém-PA. No início de sua vida intelectual (1984) editou o livro de filosofia “Porque Nietzsche?”, coordenado por Carlos Henrique Escobar, em colaboração com outros. Radicado em Porto Alegre desde janeiro de 2005 hoje, dedica-se ao projeto de documentação “Séculos Indígenas no Brasil”, tendo encontrado no sul do Brasil a situação ideal para a realização da “Exposição Séculos Indígenas no Brasil”. Montada pela primeira vez de forma grandiosa, na cidade de Porto Alegre em agosto de 2005 durante o Fórum Internacional Povos Indígenas, no Centro de Eventos PUCRS. E logo em seguida, outubro de 2005, a sua II edição no Espaço Furnas Cultural-RJ. Sua mais recente realização foi a III edição da exposição, junho de 2009 a outubro de 2011, no Memorial dos Povos Indígenas do DF. Ver site do projeto www.seculosindigenasnobrasil.com, para maiores informações. Em 2007, realizou 2 filmes sobre o renomado ecologista José Lutzenberger: o documentário “Lutzenberger: For Ever Gaia”, 52 min. E o Especial para TV RBS, filial da Rede Globo no sul do país, “O Legado Lutzenberger”, 28 min. Ambas as produções retratam a vida, a obra e as ideias de José Antônio Lutzenberger, talvez o maior ecologista brasileiro. Filmes com várias difusões na TV RBS e na Rede de TVs Educativas Nacional, sendo que o filme “Lutzenberger: For Ever Gaia” participou de vários festivais e mostras de cinema no Brasil e no exterior, com destaque para a sua participação na Competição Nacional do Festival “É Tudo Verdade” de 2007 e a sua seleção como um dos representantes do RS no Programa DOCTV III, de 2006. Recentemente, no contexto da produção para a III edição da exposição “Séculos Indígenas no Brasil”, realizou 2 curtas documentários: “Reflexões”, 15 min. e “Reflexões do Curumin”, 15 min. Filmes que foram apresentados aos mais de 10 mil visitantes da exposição no período de 09/08/11 a 12/10/11 e que deverão servir de material didático, distribuído gratuitamente aos professores do Distrito Federal, participantes da formação feita pela equipe da exposição e aos professores visitantes da exposição acompanhados de seus alunos. O filme documentário “Maíra, de Darcy Ribeiro: um Deus mortal?”, de 75 minutos, foi lançado oficialmente no dia 11/10/11 no âmbito da exposição “Séculos Indígenas no Brasil” e deverá fazer parte deste material didático também.